Marcela e Matheus {IWL}

ANS_5960

ANS_5970

ANS_6123

ANS_5870

ANS_6092

O [inspiration with love] é um projeto que dura apenas um mês. Fotografo namorados.
A Marcela e o Matheus foram o primeiro casal deste ano.
São duas pessoas lindas por dentro e por fora.
Muita gratidão por este dia.
Obrigada, casal.

Minha Maria. Meu Cosme. O meu Damião.

Vim à Paraty com um desejo: participar de uma festa de São Cosme e São Damião.
Perguntava a todos que eu encontrava se iria acontecer uma por perto.
Até que um morador da cidade, o Daniel de Jesus me indicou uma logo ali.
Por causa do vai e vem da vida, combinamos de nos encontrar hoje para ir à festa. Não fomos.

Então o desejo ficou ali guardadinho.

Anteontem conheci uma menininha linda no Salão da Magda, a mãe dela.
Quis fotografá-la, a Maria, filha da Magda, pelo seu rosto iluminado e mais por seu vestido azul marinho de bolas brancas. Um luxo!
Minha intenção verdadeira era presenteá-la com a foto impressa.
Pensei nisto desde o primeiro momento que a vi!
Fotos feitas.

Passemos para hoje!

Dia de São Cosme e Damião. Os gêmeos médicos que sempre povoaram minha infância aos 27 dias de setembro. Sempre amei esta data! Seja por causa dos doces que eu ganhava por ser gêmea. Seja por causa das festas que assisti em tenra idade nos vários terreiros e casas religiosas de minha cidade.
Hoje acordei com um só pensamento. Queria ofertar algo. Me doar. Aprender ou ensinar.

Peguei a impressão da foto da Maria e corri para o salão da mãe dela.

– Oiii, Magda! Cadê a Maria? Tenho um presente pra ela.
– A Maria está na festa do asilo.
– Festa? Onde? De São Cosme e São Damião?
– Não, todo final de mês os velhinhos ganham uma festa do aniversariante do mês!
– Ahhh, eu quero ir lá! Eu preciso!

Então, a Magda, a mãe da Maria,  escolheu uma pessoa para me encaminhar até o asilo da cidade de Paraty.
Primeira surpresa: ele estava há apenas 10 pedras do salão da Magda.
Entrei. Me identifiquei e corri os olhos pelo lugar para localizar a menina Maria.
Achei. Lá estava ela dançando e girando na dança de roda com os velhinhos.
Que menina especial!
Com a foto na mão e já muito emocionada me coloquei na frente dela e estiquei os braços.

– Te trouxe um presente. É tua.

Ela, com os olhos brilhando aceitou a minha oferta. E ficou orgulhosa de se ver naquele pedaço de papel. Correu para a mãe num revés.
Não sem antes abraçar mais uma vez um velhinho alegre e sorridente. Decidi fotografá-los.

– Maria, consegue uma caneta pra tia poder escrever um recadinho para você.
Ela trouxe.

Segundos antes eu estava encantada com uma arte enquadrada na parede.

– De quem é? O que é isso? Que lindo? Queria para mim!

Minhas perguntas foram respondidas junto com a caneta.

– É do Saporem. Ah, a caneta também é dele!

Disse-me uma Maria familiarizada com a situação.

– Eu quero Maria!
– Vou chamar ele! Ele vende. Custa dez reais.
– Cadê ele?

Veio Maria e seu velhinho de camisa listrada. O mesmo da foto registrada momentos antes.
Carinho de Maria.
Obrigada, Maria.

Viva São Cosme e São Damião.
Viva Maria.
Viva Saropem. O artista esquecido no asilo.

*As emoções que vivi hoje vai para você, minha filha Gabriela, que aniversaria amanhã e que eu amo como se fosse minha filha mais velha preferida. rs
Vai para você também, Manoela, que, se você não tivesse nascido não formaria par com sua irmã, me ensinando que amar é sempre somar. Te amo também como se você fosse minha filha mais nova preferida.

Assim seja.

A dança de roda

Paraty 270914

A arte escondida no corredor

Paraty 270914

Eu e Saporem

Paraty 270914

Duas Marias

Paraty 270914

Veni, vidi, vici

Um dia eu fui.
Vi pessoas idosas que possuem famílias e outras que apenas foram depositadas por lá. Sozinhas, orfãs de familiares.
Fui para vencer algumas barreiras e pôr em prática tudo aquilo que aprendi nos últimos anos na doutrina que sigo.
Não é tão difícil assim dar Amor. Melhor, doar.
Não é tão difícil estar ao lado de pessoas que parecem nasceram para tal gesto.
Não é tão difícil se livrar de alguns conceitos.
Não é tão difícil sentir todas as sensações, benfazejas ou não.

Difícil é cair em si e imaginar que todos nós podemos passar por um momento como este. Tomare que lá na frente muitas pessoas estejam dispostas a cuidar e amar.
O mundo precisa disso.

Assim seja.

O Enrico está chegando!

Era uma vez, a família do Enrico, uma família grandiosa! Grande no tamanho. Grande no amor.
Uma parte da família eu já conhecia desde que eu era pequenininha. (De novo! rs)
A outra parte eu conheci faz alguns anos.
Aquela primeira parte que citei é a família do papai do Enrico, o Dinho! Vamos ver se vocês entendem: o tio dele é primo do meu pai, portanto não temos ligações consanguíneas, mas… “tamu junto”!
A segunda família a que me referi é a da mamãe do Enrico, a Déia, minha xará. Numerosa. Que um dia encontrei por acaso num destes jantares (in)formais na casa dos pais dela. Olhei ali (faz uns 10 anos) aquela mulherada toda, mais um menino e pensei: gente CORAJOSA! Fiquei encantada.

Os anos se passaram. Um ou outro momento nos víamos com cerimônia, nada mais próximo que isso! Em um ou outro momento também eu ia ali numa rede social antiga e vislumbrava fotos e acontecimentos. Só isso! Mas, o destino nos juntou ano passado. Assim seja!

E foi o destino, o desejo e o amor que fez eu virar fotógrafa. Foi minha confiança na parceria deste lindo casal que me fez crer que eu precisava fotografar a pré-ch(á)egada do Enrico.
As fotos abaixo comprovam isso!

E fiquem atentos, porque vem aí o ensaio gestante da barriga do Enrico, o irmão do Enzo, que é um anjo de menino.

Acabou

O curso acabou. Ficaram as pessoas que conheci por lá. A professora maravilhosa. As idéias que fervilham em minha cabeça e a certeza que amo realmente a fotografia.
Para mim ela é uma forma de escrever só que com imagens. Apesar de gostar muito de fotografar detalhes, estou adorando retratar pessoas que também me chegam cheias de detalhes! É o máximo!
O caminho é longo, as descobertas acontecem aos poucos mas a vontade é muita!

Veni, vidi, vici.
(Bom, o Vici ainda não aconteceu, mas o que seria Vencer senão trabalhar com o que se gosta?)

       

Curtam .